4 abril 2017

SEM ESCONDERIJO

de Zaradasht Ahmed

Nowhere to Hide | 86’ | Noruega, Suécia | 2016 | m/16

“Sem Esconderijo” acompanha o enfermeiro Nori Sharif ao longo de 5 anos numa cidade do “triângulo da morte”, no centro do Iraque.

Quando, em 2011, as tropas americanas e da coligação se retiram, Nori começa a filmar os sobreviventes, com esperança num futuro melhor. Mas os conflitos persistem entre as milícias iraquianas e a população foge, bem como a maior parte da equipa do hospital. Nori é um dos poucos que permanecem.

Quando o ISIS avança e toma Jalawla, em 2014, Nori vê-se obrigado a fugir com a família e a virar a câmara para si…

 
 
É com grande entusiasmo e orgulho que o hádoc 2017 apresenta, em ESTREIA NACIONAL, “Sem Esconderijo“, de Zaradasht Ahmed.

Galardoado com o prémio “Best Feature-Length Documentary” no IDFA 2016, onde fez a estreia mundial (o International Documentary FilmFestival of Amsterdam é a maior montra do cinema documental na Europa e possivelmente uma das maiores do mundo), esta distinção diz muito do documentário que o hádoc exibe, no dia 18 de abril.

Filmado ao longo de 5 anos, na região ao sul de Bagdad a que os americanos chamaram “o triângulo da morte”, “Sem Esconderijo” é um documento essencial para ter um maior entendimento da complexa estrutura política e social que assola esta região do médio-oriente, e as suas implicações nas vidas das populações locais.

Por vezes crú, mas sempre pertinente, “Sem Esconderijo” é também a história de Nori Sharif e da sua família, uma entre tantas famílias que, apesar do desejo de paz e normalidade, se vêm arrastadas para uma incerteza diária, pelo turbilhão dos eventos. Nori é enfermeiro no hospital de Jalawla e é através da perspetiva deste homem iraquiano — as suas alegrias, os seus medos e sofrimento, as vitórias e as derrotas — que somos transportados, ao longo do filme, pelos diversos acontecimentos que marcam o período de 5 anos que o mesmo cobre: a saída das tropas americanas do território iraquiano, a escalada do conflito entre milícias iraquianas e a chegada do Daesh, o auto-intitulado Estado Islâmico.

Apesar de algumas imagens mais violentas (na realidade não muito diferentes daquelas com que somos bombardeados diariamente pelos meios de comunicação social), “Sem Esconderijo”, é acima de tudo, um relato previligiado do quotidiano e do esforço de sobrevivência das populações desta região do mundo, incrivelmente massacradas por uma sucessão de conflitos armados e disputas. Um relato humano que nos permite observar outra face da realidade que tantas vezes nos é entregue de forma artificial e “maquilhada” pelos media convencionais.