Mais Um Dia De Vida

 
 
 
 
 
28 maio 2019

MAIS UM DIA DE VIDA

de Raúl de La Fuente e Damian Nenow

Another Day of Life | 85’ | Polónia, Espanha, Alemanha, Bélgica | 2018 | m/12

“Isto é recordado por todos, ainda hoje, porque, no nosso pensamento, o passado ocupa mais espaço que o futuro.”

Baseado no livro homónimo de Ryszard Kapuścińki, “Mais Um Dia de Vida” é uma aposta ousada da edição de 2019 do hádoc. É na sua quase totalidade um filme de animação, com algumas sequências em imagem real. Não sendo, na realidade, um documentário, apresenta diversas características do cinema documental, além de que a relevância histórica e social do texto de Kapuścińki tornaram indispensável a seleção deste filme, editado em 2018 e amplamente premiado, para ser exibido no âmbito do 8.º hádoc.

Ryszard Kapuścińki foi apontado em 1964 como (único) correspondente estrangeiro da Polska Agencja Prasowa, a agência noticiosa polaca, tendo sido responsável pela cobertura jornalística de mais de 50 países, nomeadamente em África e na América Latina. Nas décadas de 1960 e 1970, acompanhou o final do domínio colonialista europeu nos países africanos e os vários movimentos de independência. É neste contexto que, no verão de 1975, em Lisboa, Kapuścińki implorou (palavras do próprio) ao piloto de um dos últimos aviões militares portugueses com destino a Angola que o transportasse. Aterra em Luanda, uma cidade nas mãos do MPLA, mas sitiada pelas forças da FNLA e da UNITA, de onde presencia a fuga apressada dos últimos colonos portugueses ainda no território.

O MPLA, liderado por Agostinho Neto e apoiado pela União Soviética e Cuba, opõe-se à FNLA de Holden Roberto e à UNITA de Jonas Savimbi, apoiadas pelos Estados Unidos da América e pelos Sul-Africanos. A riqueza natural e o posicionamento geoestratégico de Angola são o pretexto para que as potências estrangeiras e a sombra da Guerra Fria acicatem as divisões internas entre os angolanos, desenhando o mapa do conflito. Kapuścińki, que priva com as elites do MPLA, por quem não esconde simpatia, possivelmente pelo posicionamento “socialista” do movimento, tem oportunidade de viajar pelo país, indo até à frente de combate. Nesta perigosa e arriscada empreitada, descobre aos poucos os personagens do seu livro: uma guerrilheira emblemática; o “general” português, que comanda a frente sul, depois de desertar do exército colonialista; o piloto do único avião do MPLA que percorre o país incessantemente, transportando pessoal, equipamento e material.

O filme de Raúl de La Fuente e Damien Nenow, uma gigante coprodução polaca, espanhola, alemã e belga, recupera o essencial do livro de Kapuścińki, que, sendo fortemente autobiográfico, revela muito da atitude arrojada e corajosa do autor, bem como os seus dilemas pessoais e éticos. O cinema de animação permite, neste particular, explorar de forma livre e criativa os momentos que a literatura potencia como nenhuma outra arte, aqueles que são criados na mente do leitor. Sendo igualmente uma obra com uma marcada vertente jornalística, de La Fuente e Nenow conseguem um feito notável, complementando o filme de animação com imagem real, captada nos locais onde a ação decorreu, e recorrendo a imagens de arquivo ou a entrevistas com os protagonistas sobreviventes.

“Mais Um Dia de Vida” é simultaneamente uma reportagem e uma peça literária traduzidas em imagens, além de uma elegia a Ryszard Kapuścińki, à sua carreira e vida. Para os portugueses, colonos e usurpadores nesta história que aqui se conta, é ainda uma oportunidade de olharmos para nós e para o nosso legado pelos olhos e (sem) preconceitos dos estrangeiros. Ainda que, no final, e feitas as contas, esse legado surja simplesmente como… confusão. Ou nas palavras de Kapuścińki:

“Confusão é uma boa palavra, uma palavra de síntese, uma palavra total. Em Angola tem o seu próprio sentido específico e é literalmente impossível de traduzir. Para simplificar as coisas: Confusão significa enleio, um estado de anarquia e desordem. Confusão é uma situação criada por alguém, mas no decorrer dessa situação, esse alguém perde o controlo e a direção, tornando-se ele próprio vítima de confusão.”

hádoc 2019
28 maio | Teatro Miguel Franco, Leiria | 21h30

Mais Um Dia de Vida
de Raúl de La Fuente e Damian Nenow
Another Day of Life | Polónia, Espanha, Alemanha, Bélgica | 2018 | 85 min | m/12

Vencedor Prémio do Público | Festival de San Sebastián | 2018
Vencedor Competição Internacional | Biografilm Festival | 2018
Nomeado L’Œil d’Or | Festival de Cannes | 2018
Vencedor Melhor Filme de Animação | European Film Awards | 2018

 
 
 

Leave a Comment